Teatro e Marionetas de Mandrágora

Corações Rasgados / criação raiz

Uma dramaturgia do silêncio num espetáculo contado no feminino.
M.12 . 01h00 . 2022
Corações Rasgados
Corações Rasgados
Ao longo de varias criações, Clara Ribeiro tem trazido à cena das marionetas um pensamento sobre condições sociais precárias, minorias, ou questões prementes da sociedade como a violência, quer sejam os maus tratos na infância quer seja a violência sobre a mulher!O mundo simbólico e metafórico da criação apresentada ajuda-nos a compreender a sociedade em que estamos integrados. Criar pontos de entendimento e reflexão sobre a comunidade em que estamos integrados e questionar práticas que devem ser observadas e analisadas por todos!
O espetáculo de teatro de marionetas apresentado coloca o espetador numa relação intima com a criação. Diversas personagens femininas vão, no bairro da "boa esperança" desfilando e partilhando as suas angústias, as suas perdas e os seus medos. Viajamos por este bairro como espetadores de muitas vidas que teimam em ser confrontadas com um mal comum, os maus tratos.
As marionetas são símbolos que nos levam a tentar entender e questionar a sociedade e talvez refletir sobre os comportamentos de quem atua bem como as atitudes de quem observa. Mas o espetáculo é também musical, poético e repleto de imagens que nos conduzem ao questionamento sereno e participativo. São estes os momentos em que todos devemos refletir, em conjunto e em coletivo enquanto sociedade, A marioneta é nada mais que a ferramenta artística que nos transporta.

A mulher (criança / jovem / adulta); subjugada pela família e por uma sociedade opressora, violenta e preconceituosa; acaba numa fuga constante e obsessiva e numa procura incessante por amor e libertação. A voz feminina, lírica e angustiada das personagens que povoam o espetáculo, surge em contraponto à de uma sociedade grave e severa.
Esta criação pretende renovar uma linguagem teatral, na busca de transmitir ao público uma experiência de vida que às vezes se encontra distante do espetador, mas muitas vezes próxima da sua realidade escondida.
No espetáculo apresentamos o que nos recusamos a ver no quotidiano, mas que merece uma reflexão profunda. Uma reflexão sobre a nossa sociedade e sobre o papel da mulher nesta sociedade que ainda não se transformou para uma real igualdade.
Refletimos neste espetáculo sobre o desamparo humano na figura feminina e a sua busca de liberdade numa sociedade opressora, que parece ter traçado para a mulher um papel que não lhe pertence.


download

ARQUIVO IMAGEM RECURSOS 35.8 Mb
ARQUIVO IMAGEM PESQUISA 378.6 Mb
ARQUIVO IMAGEM PROCESSO DE CRIAÇÃO 46 Mb