Teatro e Marionetas de Mandrágora

QUEIXA_TE / criação raiz fora de cena

inspirado livremente na obra “O grande D. Quixote de La Mancha e o gordo Sancho Pança” de António José da Silva
M.8 . 01h00
QUEIXA_TE
QUEIXA_TE
QUEIXA_TE
QUEIXA_TE
QUEIXA_TE
QUEIXA_TE
D. Quixote está velho e cansado, mas a sua sede de aventura é infinita.
Erguem-se muros que estão a separar o mundo e D. Quixote que ainda não encontrou sua Dulcineia quer destruir esses muros, não vá dar-se o caso de Dulcineia estar do outro lado do mundo. Precisará da ajuda de Sancho que, à procura da ilha para ser Governador, embarca nesta aventura. Cedo descobrem que os dois juntos, são mais originais do que qualquer um dos dois sozinho...
O muro vai-se erguendo à sua passagem e do outro lado está o caminho para a humanidade.

Explorando por completo a riqueza imaginativa da peça original — os absurdos feitos, os enganos fantásticos, os encontros estranhos, as ilusões de D. Quixote e o comportamento bizarro do seu escudeiro e amigo Sancho Pança, esta criação mistura a sátira, o burlesco e fantasias surreais.
A abordagem, mantendo-se fiel à narrativa e essência do texto, faz uma interpretação livre sobre o nosso tempo, as limitações que nos impõem e sobretudo a que impomos a nós mesmos, e os muros físicos e simbólicos que erguemos ao nosso redor. Numa atmosfera cómica e cruel, abordamos a sociedade atual, aqueles que se deixam ficar ora quedos, ora queixosos, e aqueles que como D. Quixote e Sancho Pança se atrevem a sonhar.
Revemo-nos na forma como António José da Silva via na arte uma forma de transgredir, e nas marionetas uma maior liberdade na expressão crítica e satírica. É de liberdade e humanidade, que trataremos nesta criação.
Esta é uma peça para duas atrizes e muitas marionetas.


download

QUEIXATE - CLASSIFICAÇÃO ETÁRIA.PDF 152.6 Kb
QUEIXATE - DOSSIER.PDF 10.7 Mb
QUEIXATE - JOURNAL.ZIP 24.8 Mb
QUEIXATE - POSTAL.PDF 9 Mb